TEMPO DE RECONCILIAR


 

“Lembra-te, pois donde caíste e arrepende-te e pratica as primeiras as primeiras obras” – AP 2.5 (v.a. Gn 12.10-20)

I – O caminho da fé não é livre de provações. Os obstáculos fazem parte da nossa jornada, os que superam e perseveram são vencedores, os demais que desistem são derrotados.

a) Deus já tinha decretado sua promessa sobre a vida de Abraão. A promessa fora liberada sobre ele e sua casa, mas haviam barreiras para ser superadas antes que a benção se concretizasse. E far-te-ei uma grande nação, e abençoar-te-ei, e engrandecerei o teu nome; e tu serás uma bênção”, Gn 12.2;

b) A fome foi a primeira grande prova na vida de Abraão após a promessa, Gn 12.10. “Naquele tempo houve em Canaã uma fome tão grande”;

c) A decisão de Abraão diante da prova foi descer ao Egito. Ele estava num grande dilema entre continuar peregrinando na terra da promessa e sujeitar-se a fome ou descer ao Egito onde havia fartura e encontrar uma solução para aquele momento, enfim ele preferiu descer ao Egito, Gn 12.10 – “Abrão foi morar por algum tempo no Egito”;

d) A precipitação de Abraão em descer ao Egito custou caro. Ele quase perdeu sua esposa que foi cortejada pelos príncipes de Faraó e conduzida ao Palácio Real, Gn 12.15.

II – Abraão sob a influência do Egito

a) A mentira, uma solução humana para um suposto perigo, Gn 12.11-13 “Diga, então, que você é minha irmã. Assim, por sua causa, eles me deixarão viver e me tratarão bem”;

b) Quando mentimos, ferimo-nos a nós mesmos. A Bíblia diz em Efésios 4.25 “Pelo que deixai a mentira, e falai a verdade cada um com o seu próximo, pois somos membros uns dos outros.”

c) O nono mandamento proíbe a mentira. A Bíblia diz em Êxodo 20.16 “Não dirás falso testemunho contra o teu próximo.”

d) Quando mentimos não estamos seguindo o exemplo de Jesus. A Bíblia diz em Colossenses 3:9-10 “Não mintais uns aos outros, pois que já vos despistes do homem velho com os seus feitos, e vos vestistes do novo, que se renova para o pleno conhecimento, segundo a imagem daquele que o criou.”

e) Deus detesta a mentira. A Bíblia diz em Provérbios 12.22 “Os lábios mentirosos são abomináveis ao Senhor; mas os que praticam a verdade são o seu deleite.”

f) Os que mentem são excluídos da presença de Deus. A Bíblia diz em Salmos 101:7 “O que usa de fraude não habitará em minha casa; o que profere mentiras não estará firme perante os meus olhos.”

g) Os que são desonestos não serão permitidos entrar na cidade de Deus. A Bíblia diz em Apocalipse 22.15 “Ficarão de fora os cães, os feiticeiros, os adúlteros, os homicidas, os idólatras, e todo o que ama e pratica a mentira.”

h) Somos considerados mentirosos se dizemos que somos cristãos, mas não obedecemos a Deus. A Bíblia diz em 1 João 2.4 “Aquele que diz: Eu o conheço, e não guarda os seus mandamentos, é mentiroso, e nele não está a verdade.”

i) Os hipócritas são mentirosos. A Bíblia diz em Tiago 3.14 “Mas, se tendes amargo ciúme e sentimento faccioso em vosso coração, não vos glorieis, nem mintais contra a verdade.”

j) As conseqüências da mentira de Abraão, Gn 12.14,15 “Alguns altos funcionários do rei do Egito também a viram e contaram a ele como era linda aquela mulher. Por isso ela foi levada para o palácio do rei”;

k) A misericórdia de Deus foi a salvação de Abraão, Gn 12.17-19 “Por isso o rei mandou chamar Abrão e perguntou: – Por que você me fez uma coisa dessas? Por que não me disse que ela é a sua mulher?”

l) Deus nos perdoará. A Bíblia diz em 1 João 1.9 “Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça.”

III – O pecado sempre traz prejuízo

a) Perda da comunhão com Deus. Enquanto Abraão esteve no Egito Deus não falou com ele reprovando sua atitude;

a. Não se aprende a orar ouvindo pregações – aprende-se orar, orando. Do mesmo modo a comunhão precisa ser desenvolvida por meio da oração;

b. Ter comunhão com Deus é diferente de ter a vida de Deus. A vida de Cristo em nós é um fato (2 Co 5.17; Cl 1.27; 3.4). Independe de qualquer esforço nosso e é produzida pelo Espírito Santo (Rm 8.9-11; Jo 1.13; 3.6);

c. A comunhão, por sua vez, é conquistada com diligência e esforço (1 Co 9.23-27) "Com toda oração e súplica, orando em todo tempo no Espírito , e para isto vigiando com toda perseverança" (Ef 6.18);

d. A Vida em Deus é fruto do Novo Nascimento – A Comunhão com Deus, do Relacionamento;

e. Se qualquer criança começar a espernear e negar que tem um pai, isto não muda o fato: ela é resultado da vontade e semente do pai (Jo 1.13). Um filho é a extensão da vida dos pais. Também é assim no mundo espiritual: nascemos de Deus, pela vontade de Deus, da semente de Deus (Jo 1.12, 13; 3.3-7; Tg 1.18; 1 Pd 1.23; 1Jo 3.9). Somos filhos de Deus. Temos a vida de Deus. Contudo, o nosso conhecimento de Deus no sentido de experimentar a sua "boa, agradável e perfeita vontade" (1Pd 2.3; Rm 12.1,2), e a nossa capacidade de realizar a sua obra (Jo 4.34) vão depender diretamente do quanto nos relacionamos com Ele;

f. Nenhum filho de Deus é mais filho ou menos filho que outro. Mas, certamente irá conhecê-lo melhor e agradá-lo mais e melhor fará a sua vontade aquele que mais se aproximar d’Ele.

g. Um homem disse a Deus: "Senhor tu tens filhos prediletos; tens aqueles a quem preferes". O Senhor lhe respondeu: "Eu não prefiro uns mais que outros; alguns há que me preferem mais que outros". Esta é a tônica da comunhão.

h. O que vai determinar a minha vida de oração não é o quanto eu sei sobre oração, mas o quanto eu amo o estar em oração, o quanto eu amo estar na presença do Pai. "Jesus perguntou a Pedro: amas-me mais do que estes outros? Então apascenta os meus cordeiros" (Jo 21.15). O serviço de Pedro estava condicionado ao seu amor a Jesus.

b) Perda moral. Abraão perdeu o conceito de homem de Deus sendo advertido por um rei pagão;

c) Consciência cauterizada pelo erro. Abraão perdeu o senso do correto, do justo e aceitou suborno de Faraó (Gn 12.16), pode ser que entre as servas dadas a Abraão estivesse a egípcia Agar que mais tarde causaria problemas entre o casal Abraão e Sara.

IV – Abraão retorna a direção de Deus. O “Pai das misericórdias” (II Co 1.3) permitiu que Abraão saísse ileso com Sara do Egito

a) Abraão volta a Canaã, o mesmo ponto onde havia errado. “Ele foi de um lugar para outro até chegar à cidade de Betel; e dali foi para o lugar que fica entre Betel e Ai, onde já havia acampado antes. Abrão chegou ao altar que ele havia construído e adorou a Deus, o Senhor.” Gn 13.3,4;

b) A oração de Davi no Salmo 51 é um belo exemplo do pecador arrependido que clama pela misericórdia de Deus;

c) Abraão faz concerto com Deus e retorna ao mesmo local onde outrora havia erigido um altar e ali invoca o nome do Senhor (Gn 13.4). Betel é lugar de concerto e de encontro com Deus. BETEL = Casa de Deus: Então levantou-se Jacó pela manhã de madrugada, e tomou a pedra que tinha posto por seu travesseiro, e a pôs por coluna, e derramou azeite em cima dela. E chamou o nome daquele lugar Betel; o nome porém daquela cidade antes era Luz.” Gn 28.19,19 

Não importa quantas vezes você tenha caído e se afastado da presença do senhor. Deus deseja que consideremos nossos caminhos e voltemos a sua direção.

Provérbios 24.16 “porque sete vezes cairá o justo e se levantará;”

“Tenho, porém, contra ti que abandonaste o teu primeiro amor. Lembra-te, pois, de onde caíste, arrepende-te e volta à prática das primeiras obras; e, se não, venho a ti e moverei do seu lugar o teu candeeiro, caso não te arrependas.” – Ap 2.4,5

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s