TOMARA QUE ME ABENÇOES


“Oh! Tomara que me abençoes…”

“Foi Jabez mais ilustre do que seus irmãos; sua mãe chamou-lhe Jabez, dizendo: Porque com dores o dei à luz. Jabez invocou o Deus de Israel, dizendo: Oh! Tomara que me abençoes e me alargues as fronteiras, que seja comigo a tua mão e me preserves do mal, de modo que não me sobrevenha aflição! E Deus lhe concedeu o que lhe tinha pedido.”(I Cr 4.9,10)

 

Quem era Jabez?

  • O mais ilustre entre seus irmãos;
  • Recebeu esse nome porque sua mãe lhe concebeu em grandes dores (não significa necessariamente dores de parto);
  • O sofrimento de sua mãe pode ter sido ocasionado desde seus antepassados, durante o parto ou durante sua infância;
  • Era comum naquela época o filho receber um nome que retratava o estado (espiritual, emocional, politico, etc…) em que viviam. Exemplo: Benoni “filho da minha tristeza” – Benjamin – “filho de minha mão direita”. Jabez significa “aquele que causa dor”;
  • Sua oração retrata o estado de espírito de um homem que desejava viver prosperamente e sem opressão dos inimigos, sob a benção de Deus e não dos homens;
  • Sua sinceridade através da oração foi a chave para a resposta de Deus;

Jabez tornou-se um homem honrado

Aprendemos que Jabez foi o mais honrado de seus irmãos e sua oração imediatamente respondida, o que mostra que ele levava uma vida de oração. A melhor honra é aquela que o homem recebe de sua comunhão com Deus.

Jabez buscou sua benção em Deus, pois entendia que Ele tinha autoridade para fazê-lo. Jabez não desejava apenas uma benção, mas que toda sua vida fosse abençoada a partir daquela oração. Existem muitos tipos de bênçãos:

1.    Algumas satisfazem os nossos desejos por um momento, mas desapontam nossas expectativas com o passar do tempo;

2.    Outras fascinam os olhos, mas são intragáveis;

3.    Outras são bênçãos temporárias, se gastam com o uso;

4.    Outras regalam os sentidos, mas não podem satisfazer os anseios mais elevados da alma.

Jabez queria mais de Deus. Ele descobriu que aquele que Deus abençoa, será sempre abençoado. Ele preferiu deixar que Deus determinasse qual seria sua benção e que sua abundância quantificasse. Ele sabia que o presente de Deus seria mais elevado do que qualquer benção humana. Como filho que vive sob a benção do pai terreno, Jabez desejava viver sob a benção de Deus.

Jabez pode ter contrastado a bênção de Deus com as bênçãos dos homens. Ele descobriu que as bênçãos dos homens tinha pouco valor, mas a benção de Deus representava algo muito precioso, a certeza que sua vida estaria segura em qualquer momento ou adversidade.

Existem pessoas que se consideram abençoados quando recebem um elogio de alguém, e sempre haverá um elogiador disposto a dar e receber elogios quando as coisas parecem bem.

Na verdade se fossemos sábios abraçaríamos os que nos censuram (não confundir com aqueles que nos maldizem) e manteríamos distantes os que elogiam, pois quem nos censura face a face não está nos vendendo, mas os que elogiam na maioria das vezes trazem alguma outra razão para fazê-lo.

Cuidado, por trás do elogio pode existir um plano maquiavélico que irá  destruir sua comunhão com Deus, principalmente se você está numa posição de favorecimento à alguém. Você tem muitos bens? Cuidado, onde tem mel sempre há abelhas também.

 

A riqueza não é uma benção completa.

A benção de Deus nos acrescenta outras formas de bênçãos, inclusive a financeira. Porém, a riqueza não é tudo na vida da pessoa, devemos buscar todas as formas de bênçãos, principalmente a espiritual.

A riqueza é um desejo da maioria das pessoas, alguns dizem que se possuíssem riquezas seriam abençoados. O próprio Jesus disse que a vida do homem não consiste nos bens que possui (Lc 12.15), isso significa que riqueza não é sinônimo de benção para todos. Riqueza é pura aparência, “quando vemos o quanto um homem tem, nós o invejamos; mas se pudéssemos ver o quão pouco ele aproveita, nós teríamos pena dele.”

Muito frequentemente a riqueza engana seu possuidor. Delícias são esparramadas em sua mesa, mas seu apetite desaparece, músicos aguardam seu comando, mas seus ouvidos estão surdos para qualquer tipo de música; tem quantos feriados quiser, mas para ele a recreação perdeu seu encanto; se for jovem, a fortuna veio a ele por herança, e ele aproveita seu ganho até que o esporte se torne mais enfadonho do que o trabalho, e a dissipação pior do que o trabalho pesado.

 

A fama não é garantia de benção.

As pessoas desejam ardentemente a fama. Em algumas igrejas os ministérios competem entre si para ver quem é o mais ilustre. Algumas pessoas famosas se tornaram os mais miseráveis entre os humanos. De que adianta ter seu nome citado por milhares de bocas, se for vomitado da boca de Deus? (Ap 3.16) Não adianta ter o nome em lápides, jornais, televisão, rádios, etc… se ele não estiver escrito no livro da vida.

Quando temos a benção de Deus é diferente, ela precede a honra e a fama.

 

Ter saúde é benção, mas não é uma benção completa.

Todos nós desejamos ter saúde e seria irracional afirmar que não precisamos dela. As pessoas que são saudáveis, que cuidam do corpo, de fato são mais abençoadas que aqueles que não possuem uma boa saúde. Quem tem saúde é um ser privilegiado, mas algumas semanas podem reduzir o corpo de uma pessoa a figura de um esqueleto. A saúde não é permanente. Portanto, a pessoa saudável não deve vangloriar-se da saúde, porque pode perdê-la a qualquer momento. Quem anda com Deus conhece seu limite e sabe que depende de Deus para ser saudável.

 

A minha família é uma benção, mas ainda falta ….

A maioria das pessoas almeja ter uma família, ter alguém para dar e receber carinho. Quem tem uma família é um ser abençoado. Mas as famílias também não vulneráveis, os filhos crescem e se casam, mudam de endereço, vão para outros países, o cônjuge e filhos morrem. Há pessoas que perdem o sentido da vida quando perde um ente familiar, isso prova que a família é uma benção, mas longe de ser uma benção completa porque ela tem um limite.

A benção de Deus nos leva a conquistar uma família maior nessa vida e na eternidade. Jesus declarou: “Na casa de meu Pai há muitas moradas” (João 14.2). Do mesmo, sem a benção de Deus o conforto que um lar pode propiciar a uma pessoa será incompleto.

 

Consciência religiosa – uma benção imaginária. Lucas 18.10-14 (NTLH)

O fariseu que orava ao lado do publicano se considerava uma pessoa abençoada. Ele fazia tudo certinho, dava esmolas, pagava dízimo de tudo que ganhava, não roubava, pagava seus credores em dia, não adulterava, jejuava duas vezes por semana, ia sempre à sinagoga e no seu conceito ele era a pessoa mais certa do mundo, se todos fosse como ele o mundo seria diferente. Sua benção era uma consciência tranquila, de bem com a vida.

Mas, a Bíblia afirma que foi o publicano que desceu justificado para sua casa porque ele reconheceu sua condição e não ousou pedir nada além do favor de Deus (“Ó Deus, tem pena de mim, pois sou pecador!”)

A bênção não caiu sobre o homem que julgava tê-la, mas sobre aquele que reconheceu a necessidade de busca-la no Senhor.

Melhor ir para o céu, aleijado e mutilado, do que marchar com confiança para o inferno.

 

A verdadeira benção vem de Deus.

“Tomara que Deus me abençoe” = Posso receber bênçãos e favores das pessoas, conquistar bens, riquezas, constituir família e ter amigos, mas se eu não tiver a benção de Deus sobre mim, serei sempre um ser incompleto;

“Me alargues as fronteiras” (possua muitas terras) = Jabez não pediu diretamente à Deus por riquezas, mas desejou recebe-las, desde que viessem de Deus. Ele poderia ter orado e dito, “tomara que meus amigos me deem muitas terras, ou que eu conquiste muitas terras”. Ele preferiu colocar em Deus seu coração e receber dele qualquer sorte de benção.

“que seja comigo a tua mão e me preserves do mal, de modo que não me sobrevenha aflição!” – Todos nós queremos viver uma vida plena, segura e sem complicações. Isso é possível quando agimos com a mente de Cristo. Ter as mãos de Deus nos guiando não significa estar inume à problemas, mas a certeza que o Senhor está conosco mesmo em meio as dificuldades.

“ E Deus lhe concedeu o que lhe tinha pedido.” – Essa é a melhor parte. Todos nós almejamos receber de Deus toda sorte de bênçãos e isso é perfeitamente possível. Jesus nos garante vida com abundância. Uma vida abençoada não termina com a morte física, mas permanece por toda a eternidade – “Regozijai-vos e exultai, porque é grande o vosso galardão nos céus”, Lucas 6.23.

 

mensagem baseada no sermão do Reverendo C. H. Spurgeon – No Metropolitan Tabernacle, Newington– Inglaterra

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s