Deserto, lugar de passagem


Salmos 107.35

“Converteu o deserto em lençóis de água e a terra seca, em mananciais.” RA

“Ele fez com que o deserto se transformasse em lagos e a terra seca virasse fontes de água.” NTLH

“Transforma o deserto em açudes e a terra ressecada, em fontes.” NVI

 

Salmos 63 NTLH

 1  Ó Deus, tu és o meu Deus; procuro estar na tua presença. Todo o meu ser deseja estar contigo; eu tenho sede de ti como uma terra cansada, seca e sem água.

 2  Quero ver-te no Templo; quero ver como és poderoso e glorioso.

 3  O teu amor é melhor do que a própria vida, e por isso eu te louvarei.

 4  Enquanto viver, falarei da tua bondade e levantarei as mãos a ti em oração.

 5  As tuas bênçãos são como alimentos gostosos; elas me satisfazem, e por isso canto alegremente canções de louvor a ti.

 6  Quando estou deitado, eu lembro de ti. Penso em ti a noite toda

 7  porque sempre me tens ajudado. Na sombra das tuas asas eu canto de alegria.

 8  A tua mão direita me segura bem firme, e eu me apego a ti.

 9  Porém aqueles que me querem matar descerão para o mundo dos mortos.

 10 Eles serão mortos na batalha, e os corpos deles serão comidos pelos animais selvagens.

 11 Mas o rei se alegrará porque Deus lhe dá a vitória. Os que fazem promessas em nome de Deus se alegrarão, mas a boca dos mentirosos será fechada.

 

O salmo 63, provavelmente foi escrito enquanto Davi estava fugindo de Absalão, tudo indica que na época que ele escreveu esse Salmo, era Rei, porém estava foragido.

No deserto, Davi continuou cantando e compondo seus Salmos, pressionado, perseguido por aqueles que queriam tirar sua vida.

Ele apresenta a Deus um cântico do deserto, quando estava no deserto. Isso não quer dizer que o deserto estava em coração, pois sua alma se engrandeceu em Deus.

Matthew Henry afirmou que: Algumas vezes Deus leva seu povo a um deserto, para poder falar-lhe com tranqüilidade.

Nós podemos ser lançados no deserto, mas se a presença de Deus estiver em nós, o nosso coração permanecerá regado com a fonte da vida, que é Jesus. Então, o deserto se transformará para nós em um lugar de travessia e não de descanso ou derrota.

Davi começa o seu Salmo declarando que no deserto, o Senhor continuava sendo o seu Deus. O seu desejo é permanecer com o Senhor, destarte as dificuldades, todo o seu ser tem sede de Deus. O seu maior desejo não é a reconquista do trono, a derrota dos seus adversários, mas estar na presença de Deus.

Quando estamos numa condição favorável, geralmente nos acomodamos e às vezes nos tornamos ociosos nas questões espirituais, mas no deserto não temos condição favorável, é preciso estar alerta todo o tempo, despertar cedo, atravessá-lo o mais rápido possível. Ao invés de murmurar deveríamos agradecer a Deus por nos colocar no deserto de vez em quando, pois lá somos despertos a buscar intensamente ao Senhor.

Nos versos 1 ao 8 o salmista fala de seus anseios por Deus e de sua confiança no Senhor; nos versos 9 a 11 ele profetiza a derrota dos seus adversários.

1. Versos 1,2 – “Ó Deus, tu és o meu Deus; procuro estar na tua presença. Todo o meu ser deseja estar contigo; eu tenho sede de ti como uma terra cansada, seca e sem água. Quero ver-te no Templo; quero ver como és poderoso e glorioso.

1º.   V.1a – O salmista declara que tem um Deus, mas não é um deus qualquer. Enquanto alguns negam a existência de Deus e outros buscam seus deuses, o salmista declara ter um Deus, apenas um em quem ele confia. O salmista não foi obrigado a confiar nesse Deus, ele o fez por opção própria e com ele firmou uma aliança.

2º.   V.1b – Na segunda parte desse verso ele declara sua sede de Deus. Ele se compara a uma terra cansada, seca e sem água que clama por chuvas sobre si, assim é o desejo do salmista em estar na presença de Deus. Algumas pessoas buscam o prazer em lugares diversos, mas aqueles que confiam no Senhor o seu prazer está em estar na presença de Deus.

3º.   V.2 – O salmista vai ao Templo com um único propósito: ver a presença de Deus. É comum às pessoas irem ao Templo em busca de relacionamentos/ amizades, passarem o tempo, divertir-se, mas para Davi estar no Templo significa estar na presença de Deus e contemplar suas maravilhas.

 

2. Versos 3,4 –            “O teu amor é melhor do que a própria vida, e por isso eu te louvarei. Enquanto viver, falarei da tua bondade e levantarei as mãos a ti em oração”

Que bela declaração acerca do amor de Deus. Nessa época o amor de Deus não tinha sido totalmente revelado, como em João 3.16. Imagine se Davi tivesse vivenciado ou ouvido falar do amor de Deus que se revelou através do sacrifício de Jesus, como seria a sua declaração? Ele declara que o amor de Deus excede a própria vida, é um amor incomparável e eterno.

Qual a intensidade e tamanho do nosso amor a Deus? Porque o amamos? Deus nos amou primeiro; Deus derramou seu amor em nossos corações.

Eis a razão porque o salmista louva ao Senhor: O amor de Deus é a causa de tudo.

A sua vida seria dedicada a dois propósitos:

1º.   Falar da bondade do Senhor – Dizer o quanto Deus era bondoso com ele e relatar suas misericórdias;

2º.   Orar ao Senhor – Trata-se de manter um estreito relacionamento com Deus através da oração; tornar-se conhecido por Deus e também conhecê-lo através da comunhão que a oração possibilita.

 

3. Versos 5,6 – “As tuas bênçãos são como alimentos gostosos; elas me satisfazem, e por isso canto alegremente canções de louvor a ti. Quando estou deitado, eu lembro de ti. Penso em ti a noite toda”

Nem todo alimento é benéfico à saúde e nem todo alimento é bom ao paladar. Todos nós já experimentamos algum tipo de comida que nos fez mal, embora tenha um gosto agradável, do mesmo modo, todos já experimentaram algum tipo de alimento ‘não agradável’, porém saudável. O que determina se um alimento é bom ou ruim não é o seu sabor apenas, mas as energias e nutrientes que proporciona ao nosso organismo.

Na versa ACF (Almeida Corrigida Fiel), a primeira parte do verso 5 diz: “A minha alma se fartará, como de tutano e de gordura”. Na versa NVI (Nova Versão Internacional), diz: “A minha alma ficará satisfeita como quando tem rico banquete”. Em todas as versões fica claro que o salmista está se referindo a refeições prazerosas, grandes banquetes como os que eram oferecidos aos reis e autoridades.

Quando estamos na presença de Deus e nos entregamos totalmente a ele, nos tornamos como ‘embaixadores do Seu reino’ e ‘filhos’ adotados por intermédio de Jesus Cristo. Por essa razão, as Suas bênçãos se transformam em grandes banquetes diante de nós.

Na época de Davi os banquetes eram sinônimos de festa, alegrias, conquistas, vitórias, amizade, respeito e honra. É exatamente isso que ocorre conosco, as bênçãos de Deus vem sobre nós trazendo tudo isso em abundância.

Sob as bênçãos do Senhor, só nos resta se alegrar. Mesmo quando deitado ou em sono profundo, o nosso espírito está a todo o momento se recordando de suas maravilhas e de seus feitos em nosso favor.

 

4. Verso 7 – “porque sempre me tens ajudado. Na sombra das tuas asas eu canto de alegria.”

Davi passou por inúmeras situações delicadas. No momento em que escreve esse Salmo ele se encontrava foragido, para não ser exterminado por Absalão. Mesmo assim ele declara sua confiança em Deus e agradece por estar vivo e disposto a louvar ao Senhor em meio às adversidades.

Algumas pessoas por qualquer situação murmuram contra o Senhor, reclamam sempre que enfrentam alguma adversidade. Não é o caso do salmista. Ele poderia ter sido morto, embora tenha perdido momentaneamente seu trono, ele está agradecendo a Deus por escapou com vida.

Não murmure ou reclame do Senhor quando perder alguma coisa importante em sua vida. O trono representava a honra de Davi e agora Deus permitiu que Absalão o tomasse e humilhasse publicamente o rei.

Jesus disse que a nossa vida vale mais que o mundo inteiro. Não desista porque seus adversários roubaram o seu trono (o seu bem mais precioso), você ainda tem o Senhor do seu lado e Ele te mantém com vida a fim de que vejas a derrota dos seus adversários e volte a ocupar sua posição de honra.

 

5. Verso 8 – “A tua mão direita me segura bem firme, e eu me apego a ti.”

Onde está a segurança de Davi? Nos soldados? Em sua experiência? Não. Quem o sustenta e o mantém firme não são as pessoas ou sua experiência, mas as mãos do Senhor.

A sua salvação dependia apenas do Senhor. Por isso, Davi tomou uma decisão: “Se apegar em Deus”.

Como está a sua vida? Tens muito adversário te perseguindo? Estão procurando tirar a sua vida? Faça como Davi: Se apegue ao Senhor. Debaixo das asas do altíssimo estarás seguro.

A mão do Senhor nos segura firme em várias situações, vejamos algumas:

1º.   Ela nos sustenta diante do pecado a fim de evitar que caiamos nele;

2º.   Ela nos sustenta quando estamos diante do sofrimento, não deixa que nos afoguemos nele;

3º.   Ela nos sustenta diante de nossos deveres, quando não temos forças para cumprir nossas obrigações (espirituais e materiais), a mão do Senhor nos segura e nos conduz na direção certa.

 

6. Verso 10 – “Eles serão mortos na batalha, e os corpos deles serão comidos pelos animais selvagens.”

Quem são os seus adversários? Quem são aqueles que te perseguem? Os inimigos não são as pessoas, elas servem apenas de ‘meio’ para que o verdadeiro inimigo se manifeste usando-as para trazer o mau sobre a vida dos cristãos.

O que torna as pessoas más é satanás que veio para trazer destruição, principalmente da alma humana.

O salmista está afirmando que os seus inimigos seriam mortos na batalha. Todos nós vivemos em batalhas constantemente. Ele está afirmando que a destruição dos inimigos e vitória do servo do Senhor se dará no campo de batalha. Não se vence uma batalha na caverna, escondido ou temeroso, mas no campo onde a luta se trava.

Na versão RA, o verso 9 diz: “Serão entregues ao poder da espada e virão a ser pasto dos chacais.” Jesus venceu as tentações no deserto usando a Palavra como base (Lc 4.4,8,10 RA), por três vezes Ele declarou a satanás: “Está escrito…”. O cristão não usa de armas materiais, mas da espada do Espírito que é a Palavra de Deus (Ef 6.17), com ela certamente vencerá todos os ataques do inimigo.

 

7. Verso 11 – “Mas o rei se alegrará porque Deus lhe dá a vitória. Os que fazem promessas em nome de Deus se alegrarão, mas a boca dos mentirosos será fechada.”

Como se alegrar no campo de batalha? No último verso (11), o salmista deixa bem claro o motivo de sua alegria, mesmo foragido e vivendo um momento de fuga por causa da perseguição dos inimigos: “Mas o rei se alegrará porque Deus lhe dá a vitória.”

Quanta confiança tinha David em Deus. Ele olha ao seu redor e não vê o triunfo dos seus inimigos, mas a sua vitória, sabem por quê? Deus lhe daria a vitória. Quando confiamos no Senhor, não tememos as adversidades, apenas confiamos porque sabemos que Deus nos dará a vitória.

Ele conclui deixando bem claro uma diferença entre dois tipos de pessoas: Os que juram em nome do Senhor, se alegrarão; os mentem não lograrão êxito.

1º.   Os que juram em nome do Senhor representam aqueles que confiam no Senhor, mesmo nas adversidades;

2º.   Os que mentem, são aquelas pessoas pessimistas e negativas que só enxergam dificuldades e derrotas, o Senhor tapará as suas bocas, porque Deus trará vitória aos que Nele confiam.

Quem você pretende ser na batalha?

1º.   Davi, o homem que acredita e confia no Senhor, que teve seu trono restabelecido e contemplou a destruição dos seus adversários;

2º.   Saul, o homem que diante dos adversários e uma derrota eminente, não se arrependeu e preferiu tirar a própria vida para não ter que sofrer com a decepção de uma derrota.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s