Instruções apostólicas de Paulo


bibliaDas 21 epístolas no Novo Testamento, 14 são atribuídas a Paulo. A utilização da linguagem parabólica é observada nas ilustrações que se apresentam em diversas cartas. Embora Paulo não utilizasse do mesmo método parabólico que Jesus, observamos que ele tinha uma mente simbólica.

Para alguns estudiosos, as epístolas são os resultados da disseminação da semente lançada, como fora explicada na parábola do semeador. As epístolas são sequências ou suplementos das parábolas, visto que o seu alvo são os gentios e não mais os judeus.

Vamos estudar algumas ilustrações e instruções paulinas em suas epístolas:

Figura – Romanos 5.14-10 (14a) “Mas, desde o tempo de Adão até Moisés, a morte dominou todos os seres humanos, mesmo os que não pecaram como Adão, quando ele desobedeceu à ordem de Deus. Adão era a figura daquele que havia de vir

Quando Paulo se refere a Adão como figura daquele que haveria de vir está se referindo ao próprio Cristo. O primeiro Adão constitui-se ‘o cabeça’ e representante da raça humana, com a sua queda todos os demais também pecaram e foram afastados de Deus. O último Adão também é ‘o cabeça’ da uma raça humana, porém, dos regenerados. A primeira semente inclui toda a raça humana, a segunda constitui apenas um pequeno rebanho, a igreja.

Contrastes entre Adão e Cristo.

  • Personagens – O homem Adão e o homem Cristo
  • Ação – 1º foi desobediente; 2º obedeceu até a morte
  • Resultado das ações – 1º sua transgressão rompeu o relacionamento entre Deus e a humanidade; 2º A sua obra e sacrifício resgatou a humanidade, permitindo que todos os pecadores arrependidos voltem a comunhão com Deus.
  • Alcance de suas ações – em ambos os casos, toda a humanidade.
  • Efeito imediato das ações – 1º perda da comunhão com Deus; 2º resgate da comunhão com Deus.
  • Efeito eterno das ações – 1º Juízo, condenação e morte eterna; 2º Salvação e Vida eterna

O apóstolo Paulo fala sobre o pecado e a morte como resultado das ações do primeiro Adão e apresenta a graça e a vida em Jesus como solução. Tanto o pecado e morte como a graça e vida reinam sobre a humanidade, as pessoas são dominadas por um ou pelo outro. A pergunta para todos nós é a seguinte: Quem reina em sua vida?

Compromisso cristão. Romanos 6.14,15 – “O pecado não dominará vocês, pois vocês não são mais controlados pela lei, mas pela graça de Deus.

O que é que isso quer dizer? Vamos continuar pecando porque não somos mais controlados pela lei, mas pela graça de Deus? É claro que não!”

Quando Paulo fala sobre as obrigações da verdadeira união com Cristo e a natureza da liberdade cristã, deixa bem claro que não estamos sob o domínio da Lei, mas da graça. Depois de abordar sobre o fim do pecado para o cristão, agora ele trata da morte do cristão para o domínio da lei.

A partir do momento em que a pessoa se entrega a Cristo, ela morre para o pecado e deixa de estar sob o domínio da lei, passa a viver sob a natureza de Cristo (Rm 7.1). Isso significa que o cristão está livre por Jesus de cumprir determinadas obrigações que contrariem a nova natureza, por estar vivendo uma nova união espiritual com Cristo, Romanos 7.1-6:

  1. 1.      Meus irmãos, vocês todos podem compreender muito bem o que vou dizer. Vocês conhecem as leis e sabem que elas só têm poder sobre uma pessoa enquanto essa pessoa está viva.
  2. 2.      Por exemplo, a mulher casada está ligada pela lei ao marido enquanto ele estiver vivo; mas, se ele morrer, ela estará livre da lei que a liga ao marido.
  3. 3.      De modo que, se ela viver com outro homem enquanto o marido estiver vivo, ela será chamada de adúltera. Mas, se o marido morrer, ela estará legalmente livre e não cometerá adultério se casar com outro homem.
  4. 4.      O mesmo acontece com vocês, meus irmãos. Do ponto de vista da lei, vocês também já morreram, pois são parte do corpo de Cristo. E agora pertencem a ele, que foi ressuscitado para que nós possamos viver uma vida útil no serviço de Deus.
  5. 5.      Pois, quando vivíamos de acordo com a nossa natureza humana, os maus desejos despertados pela lei agiam em todo o nosso ser e nos levavam para a morte.
  6. 6.      Porém agora estamos livres da lei porque já morremos para aquilo que nos mantinha prisioneiros. Por isso somos livres para servir a Deus não da maneira antiga, obedecendo à lei escrita, mas da maneira nova, obedecendo ao Espírito de Deus.
  7. 7.      O que vamos dizer então? Que a própria lei é pecado? É claro que não! Mas foi a lei que me fez saber o que é pecado. Pois eu não saberia o que é a cobiça se a lei não tivesse dito: “Não cobice.”

Oliveira brava – Romanos 11.17-24

17 Alguns galhos da oliveira cultivada foram quebrados, e um galho de oliveira brava foi enxertado nela. Pois vocês, os não-judeus, são como aquela oliveira brava e agora tomam parte na força e na riqueza espiritual dos judeus.  

18 Portanto, vocês não devem desprezar os galhos que foram quebrados. Como é que vocês podem estar orgulhosos? Vocês são somente galhos. Não são vocês que sustentam a raiz – é a raiz que sustenta vocês.  

19 Porém vocês dirão: “Sim, mas os galhos foram quebrados a fim de darem lugar para nós.”  

20 Isso é verdade. Mas lembrem que eles foram quebrados porque não creram; no entanto vocês continuam na oliveira porque crêem. E não tenham orgulho disso; pelo contrário, tenham medo.  

21 Se Deus não deixou de castigar os judeus, que são como galhos naturais, vocês acham que ele vai deixar de castigar vocês?  

22 Vejam como Deus é bom e também é duro. Ele é duro para os que caíram e bom para vocês, se continuarem sempre confiando na bondade dele. Se não, vocês também serão cortados.  

23 E, se os judeus abandonarem a sua descrença, serão enxertados na oliveira cultivada, pois Deus pode enxertá-los de novo.  

24 Vocês, os não-judeus, são como aquele galho de oliveira brava que foi cortado e enxertado, contra a natureza, na oliveira cultivada. Os judeus são como essa oliveira cultivada. Portanto, para Deus será muito mais fácil enxertar de novo, na própria árvore deles, esses galhos quebrados.

Paulo usa um símbolo conhecido em Israel para expor a mudança de dispensação, da lei para a graça. Os gentios enxertados na oliveira verdadeira recebem as bênçãos e privilégios que anteriormente eram exclusividade de Israel. A misericórdia divina é estendida para toda a humanidade, segundo Paulo os gentios entram no sistema de bênçãos prometidas por Deus a Abraão, pela fé em Jesus.

A recomendação paulina acerca da vigilância e permanência na fé cristã está no verso 21. A bondade de Deus tem um limite:21 Se Deus não deixou de castigar os judeus, que são como galhos naturais, vocês acham que ele vai deixar de castigar vocês?

Semeadores da boa semente – Romanos 10.15 E como é que a mensagem será anunciada, se não forem enviados mensageiros? As Escrituras Sagradas dizem: “Como é bonito ver os mensageiros trazendo boas notícias!

II Coríntios 9.6,10 – “Lembrem disto: quem planta pouco colhe pouco; quem planta muito colhe muitoE Deus, que dá a semente para semear e o pão para comer, também dará a vocês todas as sementes que vocês precisam. Ele fará com que elas cresçam e dêem uma grande colheita, como resultado da generosidade de vocês.” Ainda que esse texto esteja se referindo ao ato de dar e receber coisas temporais, o mesmo pode se aplicar aos que semeiam a Palavra de Deus, a colheita será proporcional a semeadura.

Para Paulo o resultado da colheita não depende apenas da quantidade de sementes que tens na mão, mas da qualidade da semente plantada e do local onde plantamos, se a qualidade da semente e a terra forem boas certamente dará bons resultados (Mc 4.27) – “Quer ele esteja acordado, quer esteja dormindo, ela brota e cresce, sem ele saber como isso acontece.”

O resultado virá com o tempo. Gálatas 6.7-9: “7 Não se enganem: ninguém zomba de Deus. O que uma pessoa plantar, é isso mesmo que colherá.  8 Se plantar no terreno da sua natureza humana, desse terreno colherá a morte. Porém, se plantar no terreno do Espírito de Deus, desse terreno colherá a vida eterna.  9 Não nos cansemos de fazer o bem. Pois, se não desanimarmos, chegará o tempo certo em que faremos a colheita.

Quando as sementes crescem, elas irão produzir os frutos. Paulo apresenta uma lista de frutos que devemos produzir e fica bem claro que eles estão mais relacionados a nossa maneira de viver do que aos serviços que prestamos. Viver não é o mesmo que servir. Pode ocorrer da pessoa não ter condições de servir em determinadas situações. O sofrimento pode representar uma forma passiva de produzir frutos, Gálatas 5.22,23: “22 Mas o Espírito de Deus produz o amor, a alegria, a paz, a paciência, a delicadeza, a bondade, a fidelidade,  23 a humildade e o domínio próprio. E contra essas coisas não existe lei.”

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s