A fé e perseverança pela justiça divina


Em Lucas 18.1-8 Jesus contou uma parábola sobre certa mulher que foi até um juiz injusto rogar-lhe que fizesse justiça contra seu adversário. O Juiz injusto ignorou aquela mulher por um certo período, mas vendo que ela não cessava de rogar-lhe decidiu atender ao seu pedido. Jesus quis enfatizar aos seus discípulos sobre a fé e perseverança daquela mulher ao iniciar sua parábola dizendo que eles deveriam orar sempre e nunca desanimar. Na versão A.A. diz “… orar sempre, e nunca desfalecer. ”

A preocupação de Jesus ao ensinar sobre a fé e perseverança na oração era que os seus discípulos não perdessem a vontade de lutar, que desfalecessem ou se deixassem levar pela preguiça mental que os faria perder o foco na oração.

O perigo da derrota na vida cristã surge quando o crente começa a desmaiar.

Muitos cristãos se cansam e perdem a fé, outros perdem o desejo de combater uma crise, porque seus problemas se tornam maiores do que a sua capacidade de desafiá-los. Estar desanimado ou desfalecido numa guerra, numa luta pessoal, numa relação familiar é compreensível, mas quem confia no Senhor não pode desfalecer e deixar de orar.

Para entendermos melhor esse contexto comparemos a perseverança na oração com o exemplo da prática do bem. Gálatas 6.9 diz: Não nos cansemos de fazer o bem. Pois, se não desanimarmos, chegará o tempo certo em que faremos a colheita.

  • Como é possível alguém cansar de fazer o bem? Fazer o bem significa liberar alegria, paz e fazer o que é correto. Porém, é possível que muitos cristãos se cansem de praticar o bem, por isso o apóstolo Paulo exortou que o segredo para colher bons resultados está na perseverança em fazer o bem.
  • Fazer o bem pode ser prazeroso, mas o custo em praticá-lo é caro na maioria das vezes e seus resultados somente são alcançados quando a pessoa persevera até o fim.

O tempo pode enfraquecer e cansar o espírito de uma pessoa que pratica o bem e gerar nela um espírito de fraqueza e desânimo, as pressões contínuas podem desencadear efeitos negativos em sua mente e deixa-la doente quando não consegue alcançar os resultados esperados, como lemos em Provérbios 13.12: A esperança adiada faz o coração ficar doente, mas o desejo realizado enche o coração de vida.

 

A fé e a perseverança versus a amargura e o desânimo – a árvore sob o solo concretado

  1. A perseverança na oração pode ser comparada a raiz de uma árvore coberta pelo solo concretado, mesmo escondida ela continua resistindo até que encontra frestas por onde entram os raios solares e com o tempo ela rompe o concreto de volta à luz.

Ter fé e perseverar é nunca perder as esperanças, ainda que no momento você esteja sob concretos de problemas e crises que te impedem crescer e produzir bons frutos.

A fé e a perseverança são capazes de superar qualquer obstáculo. Quando alguém está bem em relação a si, a sua família, emprego, igreja ou etc. dificilmente irá pensar em desistir. Cada momento que vive por mais simples que seja, como tomar uma sopa de fubá por não ter outro alimento, é como os poucos raios solares que alimentam a sua esperança rompendo aos poucos tudo aquilo que o impede de alcançar sua vitória.

  1. Do mesmo modo, a amargura e desânimo também podem ser ilustrados pelo mesmo exemplo da árvore sob o solo concretado. Nesse caso a árvore representa os obstáculos espirituais ocultos nas profundezas do espírito humano, se você não proteger a sua mente e coração corretamente essas raízes podem encontrar rachaduras por onde brotar e irão gerar frutos ruins que te levarão a ruínas. Provérbios 17.11: As pessoas revoltadas estão sempre criando problemas; por isso a morte virá para elas como um mensageiro cruel.

Uma pessoa revoltada gera raízes amargas e a cada resultado negativo que ela alcança mais frutos ruins são gerados, exemplos: rebelião, murmuração, desesperança, inveja, desânimo, fraqueza e depressão espiritual. Se essas raízes não forem extintas a tempo, o resultado será cada vez mais problemas e um final trágico.

A nossa fé e perseverança devem focar a justiça divina

Jesus ensinou que a mulher foi ao juiz em busca de justiça. Ela não pede algo incomum, mas apenas que ele cumpra o seu papel de executor da Lei. Em sua resposta aos discípulos Jesus deixa claro que (v.7,8) que Deus fará justiça ao seu povo que grita por socorro dia e noite e disse mais, a justiça divina virá depressa.

A lição dessa mulher nos ensina que:

  • Ela não pede ao juiz para massacrar ou matar seu adversário;
  • Ela não pede que seja tratada com diferença por ser mulher, fraca ou indefesa;
  • Ela clama pela justiça legal e não pela justiça baseada em suas convicções pessoais ou religiosas;
  • Que tipo de justiça pedimos ao Senhor, a nossa ou a divina? Rm 12.19: Meus queridos irmãos, nunca se vinguem de ninguém; pelo contrário, deixem que seja Deus quem dê o castigo. Pois as Escrituras Sagradas dizem: “Eu me vingarei, eu acertarei contas com eles, diz o Senhor.”

Há inúmeras passagens na Bíblia sobre pessoas que clamaram pela justiça divina, uma delas é do profeta Samuel que clamou ao Senhor para salvar seu povo dos inimigos filisteus, I Samuel 7.9-12: Então Samuel matou um carneirinho e queimou todo ele como sacrifício a Deus, o SENHOR. Pediu que o SENHOR ajudasse o povo de Israel, e ele respondeu à sua oração. 10 Enquanto Samuel estava oferecendo o sacrifício, os filisteus avançaram contra os israelitas. Mas o SENHOR os atacou com fortes trovoadas. Então eles ficaram em completa confusão e fugiram. 11 Os israelitas saíram de Mispa e perseguiram os filisteus até Bete-Car, matando-os pelo caminho. 12 Aí Samuel pegou uma pedra, pôs entre Mispa e Sem e disse: – Até aqui o SENHOR Deus nos ajudou. Por isso deu a ela o nome de Ebenézer.

Na oração sacerdotal Jesus ensinou que devemos orar pedindo a Deus “…Que a tua vontade seja feita aqui na terra como é feita no céu! “ (Mt 6.10)

Deus é o justo juiz que do Seu Trono observa a todos. Não importa a maneira como você clama ao Senhor, se através do choro, tristeza, alegria ou quebrantamento (Salmos 34.17, 18) : Quando as pessoas honestas chamam o SENHOR, ele as ouve e as livra de todas as suas aflições. 18 Ele fica perto dos que estão desanimados e salva os que perderam a esperança.

O rei Ezequias estava enfermo condenado a morte, mas em seu quarto ele clamou ao Senhor e a resposta veio através do profeta Isaias, II Reis 20.5: – Volte e diga o seguinte a Ezequias, o governador do meu povo: “Eu, o SENHOR, o Deus do seu antepassado Davi, escutei a sua oração e vi as suas lágrimas. Eu vou curá-lo, e daqui a três dias você irá até o Templo. ”

Deus sempre ouve o clamor do seu povo, toda pessoa que se aproxima de Deus com confiança e sinceridade é ouvida por Deus, em Cristo ela é fortalecida, Filipenses 4.13 – Com a força que Cristo me dá, posso enfrentar qualquer situação.

Ainda que você esteja fraco como uma raiz sob o solo rochoso, a Palavra de Deus será em tua vida como raios de sol que traz novas forças para continuar perseverando, Isaias 40.31 – mas os que confiam no SENHOR recebem sempre novas forças. Voam nas alturas como águias, correm e não perdem as forças, andam e não se cansam.

Jesus advertiu os discípulos para que não desmaiassem durante o processo de perseverança. No primeiro verso que lemos Lucas (18.1) afirma que: Jesus contou a seguinte parábola, mostrando aos discípulos que deviam orar sempre e nunca desanimar:

Embora mulher fosse ignorada nas primeiras vezes em que tentou falar com o juiz, ela não desistiu. Ele tinha certeza que ele poderia julgar a sua causa e a sua perseverança resultaria na resposta à sua causa. Versos 4 a 8 – Durante muito tempo o juiz não quis julgar o caso da viúva, mas afinal pensou assim: “É verdade que eu não temo a Deus e também não respeito ninguém. 5. Porém, como esta viúva continua me aborrecendo, vou dar a sentença a favor dela. Se eu não fizer isso, ela não vai parar de vir me amolar até acabar comigo.” 6 E o Senhor continuou: – Prestem atenção naquilo que aquele juiz desonesto disse. 7 Será, então, que Deus não vai fazer justiça a favor do seu próprio povo, que grita por socorro dia e noite? Será que ele vai demorar para ajudá-lo? 8. Eu afirmo a vocês que ele julgará a favor do seu povo e fará isso bem depressa. Mas, quando o Filho do Homem vier, será que vai encontrar fé na terra?

Duas coisas que não podem faltar aqueles que clamam ao Senhor por justiça: Fé e Perseverança. Tiago 1.2,3: Meus irmãos, considerem motivo de grande alegria o fato de passarem por diversas provações, 3 pois vocês sabem que a prova da sua fé produz perseverança. (NVI)

2 Respostas para “A fé e perseverança pela justiça divina

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s