As sepulturas do desejo!


O capítulo 23 de Números conta mais uma parte da saga israelita em direção a Terra Prometida. Três episódios chamam a atenção neste capítulo:

O primeiro episódio mostra o povo passando por muitas dificuldades. Ao invés de clamarem ao Senhor com humildade, eles começaram a murmurar no arraial do Deus de Moisés. O clima de insatisfação era geral, de crianças a adultos, uma grande parte do povo só sabia reclamar. A principal reclamação dizia respeito a vida escrava que levavam no Egito e a vida liberta que estavam levando no deserto, muitos queriam voltar ao passado quando eram escravos.

  • As murmurações eram tantas que Deus se irou contra o povo. Números 11.1a – Por estarem passando por muitas dificuldades, os israelitas começaram a se queixar a Deus, o SENHOR. Quando o SENHOR ouviu as suas reclamações, ficou irado e fez cair fogo em cima deles.
  • Deus não se agrada de murmuradores, a recomendação bíblica é para que nós tenhamos boas palavras para dizer sempre, Efésios 4.29 – Não digam palavras que fazem mal aos outros, mas usem apenas palavras boas, que ajudam os outros a crescer na fé e a conseguir o que necessitam, para que as coisas que vocês dizem façam bem aos que ouvem.
  • A murmuração é fruto de desejos naturais não concebidos. Judas 1.16 – Esses homens estão sempre resmungando e acusando os outros. Eles seguem os seus próprios maus desejos, vivem se gabando e bajulam os outros porque são interesseiros.
  • Muitas pessoas tomam decisões erradas e depois murmuram contra Deus, como se Deus fosse o culpado por seus erros, Lamentações 3.39,40 – Por que nos queixarmos da vida quando somos castigados por causa dos nossos pecados? 40. Examinemos seriamente o que temos feito e voltemos para o SENHOR.
  • Paulo advertiu a igreja de Corinto acerca do pecado da murmuração quando diz: Não devemos pôr à prova a paciência de Cristo, como alguns deles fizeram, e por isso foram mortos pelas cobras. 10. Vocês não devem se queixar, como fizeram alguns deles, e por isso foram destruídos pelo Anjo da Morte. I Co 10.9,10

 

O segundo episódio mostra o povo influenciado pelo desejo dos estrangeiros que estavam no meio deles. Os estrangeiros começaram a lembrar que no Egito eles tinham muita carne para comer de graça. Tudo que eles tinham que fazer era obedecer aos comandantes egípcios, ser um bom escravo. Agora, eles estavam no deserto e tinham liberdade, mas não sabiam o que fazer com a liberdade conquistada. O povo sentiu saudades do Egito. Números 11.4 – Havia estrangeiros viajando com os israelitas. Eles estavam com muita vontade de comer carne, e até mesmo os israelitas começaram a reclamar, dizendo: – Ah, se tivéssemos um pouco de carne para comer!

O povo agora se volta contra Moisés, eles vão até a porta da sua tenda, de dia e noite choram (reclamam) que querem carne como aquela que comiam no Egito. Moisés fica a um passo da loucura diante do choro, da reclamação e do desejo do povo por carne. A solução é dar ao povo o que querem, por isso ele vai falar com Deus.

  • O primeiro resultado dessa conversa resultou na constituição de um grupo seleto de 70 homens que deveriam ajudar Moisés a conduzir o povo. O Senhor tirou do Espírito (autoridade) que estava em Moisés e distribuiu entre os setenta. Números 11.17 – Então eu descerei e falarei com você ali; tirarei uma parte do Espírito que lhe dei e darei a eles, para que o ajudem no pesado trabalho de cuidar do povo. Assim, você não precisará fazer isso sozinho.
  • O segundo resultado dessa conversa com Deus foi que o Senhor aceitou atender o pedido do povo com uma ressalva, Números 11.18-20 – Agora diga ao povo o seguinte: “Purifiquem-se para amanhã; vocês vão comer carne. O SENHOR ouviu vocês chorando e dizendo que queriam carne e que passavam bem no Egito. Por isso o SENHOR lhes dará carne, e vocês a comerão. 19 E não comerão só um dia, nem dois, nem cinco, nem dez, nem vinte, 20 mas durante um mês inteiro, até que saia pelos seus narizes, e vocês ficarem com nojo. Pois vocês rejeitaram o SENHOR, que está no meio de vocês, e se queixaram, dizendo que nunca deveriam ter saído do Egito.”

 

O terceiro episódio mostra a descrença de Moisés acercado do que Deus prometera. Aos seus olhos era humanamente impossível saciar a fome por carne de 600 mil homens mais mulheres e crianças, totalizando algo em torno de 1,5 milhão de pessoas (Números 11.21,22). Devemos sempre confiar em Deus. Quando Deus promete dar-nos alguma coisa, mesmo que seja no campo da impossibilidade, é certo que Ele cumprirá as suas promessas.

  • Quando a promessa parte de Deus, ela é seletiva. É Deus quem escolhe e chama quem deseja abençoar com base no relacionamento que a pessoa com Ele, Números 14.30 – Eu jurei que os faria morar lá, mas nenhum de vocês entrará naquela terra, a não ser Calebe, filho de Jefoné, e Josué, filho de Num. Não foi Calebe quem chamou a Deus, mas foi Deus quem chamou e escolheu abençoá-lo.
  • Devemos focar nossos olhos na promessa de Deus, Josué 14.7 – Eu tinha quarenta anos quando Moisés, servo do SENHOR, me enviou de Cades-Barnéia para espionar a terra. E eu dei um relatório que sabia que era verdadeiro. Calebe vivia na mesma condição que as demais pessoas que lhe rodeava, no entanto ele não foi influenciado pela incredulidade do povo porque tinha posto os seus olhos no que Deus lhe tinha prometido.
  • Deus é fiel, o que Ele promete se cumpre. O seu compromisso é com a sua palavra. Hebreus 6.18 – Portanto, há duas coisas que não podem ser mudadas, e a respeito delas Deus não pode mentir. E assim nós, que encontramos segurança nele, nos sentimos muito encorajados a nos manter firmes na esperança que nos foi dada.
  • As promessas de Deus mudam a nossa visão do presente e do futuro. Se Deus se revela no que promete, significa que temos um futuro glorioso garantido, o amanhã será melhor do que o hoje, Josue 14.10,13 – E Calebe continuou: – Agora veja! Faz quarenta e cinco anos que o SENHOR Deus disse essas coisas a Moisés. Isso foi no tempo em que o povo de Israel atravessava o deserto; e o SENHOR me tem conservado com vida até hoje. Olhe para mim! Estou com oitenta e cinco anos. 13 Então Josué abençoou a Calebe, filho de Jefoné, e lhe deu a cidade de Hebrom para ser sua propriedade.
    • Jeremias 29.11 – Só eu conheço os planos que tenho para vocês: prosperidade e não desgraça e um futuro cheio de esperança. Sou eu, o SENHOR, quem está falando.

Ao insistir para comer carne, o povo deixou de seguir a vontade diretiva de Deus. A promessa que Deus lhes fez foi baseada em sua vontade permissiva. Essa é a vontade escolhida por pessoas que não estão dispostas seguir à vontade diretiva de Deus, que insistem em querer alguma coisa custe o que custar. Tais pessoas estão dispostas a sacrifícios, penitências e pagar alto preço por aquilo que desejam.

Deus cumpriu a sua palavra e deu ao povo carne, o povo trabalhou durante a noite e dia e ninguém pegou menos do que mil quilos de carne. Agora o povo tinha carne de sobra, mas o resultado foi desastroso, muita carne se estragou e apodreceu. Houve uma grande epidemia e muitas pessoas morreram.

O lugar onde o povo juntou a carne ficou conhecido com um lugar marcado pela destruição, o povo teve que mudar de local porque todo o arraial ficou comprometido por causa da epidemia, Números 11.34,35 – Por isso puseram naquele lugar o nome de Quibrote-Ataavá, que quer dizer “As Sepulturas do Desejo”; pois ali foram sepultadas as pessoas que estavam loucas de vontade de comer carne. 35 Depois os israelitas foram até Hazerote e acamparam ali.

O desejo do povo sobrepôs à vontade de Deus. Eles optaram e insistiram pela carne. Embora fosse um alimento gostoso e mais nutritivo que o maná, não era o alimento ideal para aquele clima no deserto.

As promessas de Deus estão ao nosso alcance. Mas, devemos compreender a vontade divina para não incorrer no erro de pedir coisas que nos farão mal no futuro. Deus optou por dar ao povo o maná porque era seguro e saudável. Deus sabe o que é melhor para cada um de nós.

  • Isaias 48.17,18 – O SENHOR, o Santo Deus de Israel, o seu Salvador, diz ao seu povo: “Eu sou o SENHOR, seu Deus. Eu os ensino para o seu próprio bem e os guio no caminho que devem seguir. 18 Ah! Se vocês tivessem obedecido aos meus mandamentos! A sua prosperidade iria aumentando como se fosse uma enchente, e as suas vitórias teriam sido constantes, tão constantes como as ondas do mar.
  • Deuteronômio 12.10 – O SENHOR, nosso Deus, cumprirá a sua promessa e aumentará o território de vocês. Então poderão comer carne sempre que quiserem.

Assista o vídeo dessa mensagem:

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s